22 abril 2018

Sete Poemetos para os Nossos Dias

1. Da Verdade: 
pra quê?
ninguém vai acreditar em você

2.Das Ciências: 
até serve para um oi:
mais que isso
até iria
mas não foi

3. Do Amor:
você nem imagina:
nem aqui
nem na china

4. Da Esperança:
deixamos de ser criança

5. Da Fé:
essa que se vê
estimula menos
que um gole de café

6. Do Sentimento:
esse que aí está
um saco vazio de cimento
esmagado com pá

7. Do Coração:
com o das galinhas
se faz um sopão

20 abril 2018

A Verdade está nos Detalhes

I - do fim da civilização:
a força da humanidade...
masl veio um furacão de Shostakovich
e arrancou o cedilha:
a forca da humanidade.

II – da hipocrisia religiosa:
o culto de Deus.
oculto de Deus.

III – da importância da crase e da vírgula: 
à humanidade, está morta a poesia, agora é o caos
a humanidade está morta, a poesia, agora, é o caos.

15 abril 2018

Maldita Poesia

I - a poesia (pelos olhos) 
é pouco lida
porque exige (pela alma)
muita lida 

II - em termos de poesia 
as pessoas só se interessam 
pelos seus eventos
já eu, ao termo da poesia 
só me interesso 
pelos seus ao ventos 

III - perguntam- me a diferença 
entre poema e poesia:
poema é a poesia escrita 
poesia é a vida vivida 
ou maldita 

11 abril 2018

Indecência

ser feliz... como alguém pode ser feliz?
ou julgar-se ser feliz
(que em tudo é mais fácil julgar-se do que ser)
enquanto crianças e suas inocências
agonizam de miséria e nada?
enquanto animais e suas inocências
se extinguem em crueldade e dor?

somente quem não sente
(que sentir é perceber
que sentir é captar)
não vê também sua culpa
ao passar arrogante e satisfeito
pela família que no lixo
disputa os nojos e os podres
com as moscas e as baratas

somente quem não sente
(que raros sabem sentir)
não se dá conta do horror
que é sorrir pelas estradas
enquanto passamos rápidos absortos
pelos animais atropelados
estrebuchados (des)encarneados
com a sagrada intimidade de suas vísceras
de sua carne de seu sangue
exposta
à indecência da alegria humana

09 abril 2018

Há Arte na Ruína

há alma na ruína 
algo de belo 
no que se acaba 
algo de denso 
no que se perde 

há alto na ruína 
algo de vasto 
no que se sangra 
algo de imenso 
no que se resta 

há astros na ruína 
algo de luz 
no que agoniza
algo de fundo 
no que se finda 

há asas na ruína 
algo de pássaro 
na despedida
algo de música 
no que se morre 

minha alma é ruína.

(Na imagem, "O Inverno", de Caspar David Friedrich)

07 abril 2018

O Próximo Presidente da Grande Nação Brasileira

Irei direto ao ponto. O próximo presidente da "Grande Nação Brasileira" será alguém do PSDB ou do PMDB, ou de qualquer partido com a mesma (ou quase a mesma) orientação ideológica, ou de alguma coligação de que façam parte. 

Será o governo mais lógico, o mais adequado ao momento de reação da direita (ou do que se diz "direita", ou do que se comporta como), será um governo que realmente representa o pensamento do brasileiro (eu disse o pensamento, não as necessidades do brasileiro, porque o brasileiro em geral desconhece suas próprias necessidades). 

Teremos, em breve, um novo governo plutocrático, ou seja, um governo de ricos e para os ricos, para as grandes empresas, para os latifundiários, para as grandes corporações, para o lucro a qualquer custo. O próximo governo será a continuação e o aprofundamento da política de Temer, que já tem o apoio da grande maioria do Congresso e dos seus partidos (inclusive, sim, o apoio do BOLSÓPAPO em quase todos seus projetos e pretensões). 

Nos próximos anos, veremos o prosseguimento lento e insidioso da  aniquilação dos serviços públicos e das políticas sociais, a progressão da miséria e da violência, a redução dos direitos e das garantias individuais, o aprofundamento da opressão e a destruição sem limites do meio ambiente.

Ah, e, claro, eu espero estar errado.

05 abril 2018

Não é necessário haver Liberdade

não é necessário haver liberdade em se vestir
quando todos usam o mesmo uniforme
não é necessário haver liberdade de gostos
quando todos são convencidos a gostar das mesmas coisas
não é necessário haver liberdade de crença
quando todos acreditam no que dizem ser certo
não é necessário haver liberdade de escolhas

quando as escolhas vêm dentro de um pacote já pronto
não é necessário haver liberdade de pensamento
quando as pessoas jamais param para pensar no que for
não é necessário haver liberdade na vida
quando a vida se torna só um ato mecânico
não é necessário haver liberdade de ser a si mesmo
quando todos são todos iguais



03 abril 2018

Não gosto de Praia

não gosto de praia.
porque tem gente nela.
prefiro o oculto da sanga
entre o perdido do mato
aqueles capões brabos
peraus de cobras
e mosquitos da febre amarela

e estou falando sério:
meu gosto é de antigo
ainda me garoo no mistério:
sou daqueles que não.
me sinto bem entre gritos de sapo
e berros de gavião.

não gosto de praia?
não gosto da ideia por trás dela.
se ainda fosse aquelas praias de tormentas
daqueles mares de Turner:
há menos verdade no que se diz vida
do que naquela tela.


01 abril 2018

Lembrança Breve

para quê serve um poeta?
um poeta não serve pra nada
e não serve a ninguém.
poeta é ser-se
não ser-vos

29 março 2018

Todo Mundo é Suicida

todo mundo é suicida.
quem é que não se mata?
quem não morre por?
de vício cobiça comida ou amor?

todo mundo
morre de tanto
inclusive 
de tanto viver 

“o todo
é o prolongamento do indivíduo” (Kant)
quem não sabe
que a humanidade
é um lento firme vasto suicídio?

todos se destroem
por um desejo
ou um sucesso (a)final

já eu não me destruo
nem para prêmio nem para pódio:
me destruo para criar:
que não seja em vão
meu suicídio
de tanto morrer

26 março 2018

Patético

Beethoven compôs
a Sonata Patética
na época
que patético
significava “trágico”
estando de acordo
com o romântico
daquele século

hoje mudou-se rápido
e patético
significa “ridículo”
e escrevo um poema patético
estando de acordo
com o homúnculo
desta era-catástrofe

agora
a humanidade é prática
como sinônimo de hipócrita:
as coisas passam súbitas
pútridas estúpidas
e logo o tudo é nada
atônito
fogo de palha
mísera
palhaçada

24 março 2018

Mais um: Rinoceronte Branco do Norte está praticamente extinto

No início do século XX, havia 500 mil rinocerontes na África. Hoje, não chegam a 29 mil. É assim que caminhamos na nossa morte lenta. Morte de um planeta e da sua humanidade, a causadora do Fim. E com a morte do último espécime macho de Rinocerontes Brancos do Norte, ocorrida nesta semana, mais uma subespécie de rinoceronte foi condenada à extinção, pois restam apenas duas fêmeas é não há como ocorrer inseminação artificial. Assim como o Rinoceronte Negro do Oeste, extinto há uns dois anos, a caça foi o que causou o desaparecimento desses majestosos animais.

Das 4 subespécies de rinocerontes da África, restam duas: o Rinoceronte Branco do Sul (em situação relativamente segura, por enquanto) e o Rinoceronte Negro do Leste (mais ameaçado). 

Quando da tragédia da extinção do Rinoceronte Negro do Oeste, escrevi o poema abaixo, que agora republico:

Versos Inexistentes*

Dodô
Emu-Negro
Foca-Monge
Asno-Sírio

Leão-do-Atlas
Leão-do-Cabo
Zebra-Quagga
Ave-Elefante
Arau-Gigante
Íbis-Terrestre
Tigre-de-Bali
Tigre-do-Cáspio
Tigre-de-Java
Lobo-de-Honshu
Vaca-Marinha
Sapo-Dourado
Cervo-Schomburki

Gazela-Vermelha
Dugongo-de-Steller
Antílope-Azul
Raposa-das-FalklSíri

Pombo-Passageiro
Lobo-da-Tasmânia
Cabra-dos-Pirineus
Pato-do-Labrador
Jiboia-da-Ilha-Round
Rinoceronte-Negro

Tartaruga-da-Ilha-Pinta
Lagarto-da-Ilha-de-Ratas
Wallaby-Rabo-de-Prego

Pato-de-Cabeça-Rosa
Periquito-do-Paraíso
Bandicoot-do-Deserto
Rinoceronte-de-Sumatra
Arara-Vermelha-de-Cuba

deixei 34 versos inexistentes
e mais uns outros de adeus:
quem sabe, meus amigos extintos,
um dia o meu fatal destino
beberá vinho tinto
na presença dos teus

(*Todos os animais mencionados estão extintos.)

22 março 2018

De(x)ploração: ao Dia Mundial da Água

Republico poema escrito e publicado originalmente em março de 2016:

ao erguer-se a luz empurecida do sol
brilha a claridade etérica de éter
das espumas dos rios
das sangras, dos arrotos, dos diachos
ao render-se à luz emputecida do sol

castelos de sabão
aves cheias de graxas
e aquelas formas alvas
das névoas lépidas fétidas
formas brancas
acagadas
formas claras
de ovos
infinitos e intestinais

a serenidade impassível intragável
das águas plácidas
pútridas
ácidas
básicas
aquelas águas plásticas
de folhas flores e fezes

aquelas águas tranquilas
imperturbáveis
onde nem um peixe
causa alguma onda

aquelas águas-espumas
aclaradas brilhantes
acabadas desinfetantes
como resultado tardo
de ter gentes